4 coisas que você não sabe sobre a previdência privada

4 coisas que você não sabe sobre a previdência privada

A previdência privada, também chamada de previdência complementar, é um investimento indicado para quem tem planos de médio a longo prazo. 

Geralmente não é uma boa opção para quem não visa investir por alguns anos ou mesmo décadas – se esse for o seu caso, pode ser interessante conversar com um especialista para saber o melhor caminho a seguir.

Em geral, a maior parte das pessoas que optam pela previdência privada desejam utilizá-la como segunda fonte de renda durante a aposentadoria. 

E essa é, de fato, uma excelente ideia, visto que, desde que a Reforma da Previdência, muitos brasileiros têm se deparado com uma mudança significativa na sua realidade e nas expectativas para os próximos anos.

Se você chegou aqui, é porque possivelmente está pensando em investir nessa modalidade de investimento, cada vez mais popular. Vamos ajudá-lo: a seguir, listamos 4 coisas que você ainda não sabe sobre a previdência privada, para que você conheça melhor essa modalidade e possa fazer uma escolha consciente. Confira!

4 coisas que você não sabe sobre a previdência privada

4 coisas que você não sabe sobre a previdência privada

O primeiro item da lista é: existem dois tipos de previdência privada, a aberta e a fechada.

A previdência aberta, também conhecida como previdência individual, está disponível para qualquer colaborador que deseje fazer a contratação de um plano ou para qualquer empresa que deseje oferecer tal benefício aos seus colaboradores.

A contratação da previdência aberta ocorre por meio de instituições financeiras diversas e gestos independentes de fundos de previdência (como, aliás, é o caso da Onze).

A previdência complementar fechada, por sua vez, também é chamada de fundo de pensão e é oferecida exclusivamente a algumas companhias para os seus colaboradores. Ela também pode ser oferecida por entidades de classes a associados.

A previdência privada fechada não é voltada para lucros

Estranho dizer isso, mas vamos explicar. 

O dinheiro injetado num plano de previdência complementar fechado será resgatado dentro de algum tempo específico, geralmente como segunda fonte de renda – como já comentamos -; na prática, ele rende alguma coisa, mas não é um investimento voltado para a lucratividade.

Uma pequena porcentagem do dinheiro é destinado às taxas de administração, carregamento e performance. É importante que o interessado esteja atento a esses números, uma vez que são valores que incidem diretamente sobre a aplicação e, portanto, podem impactar o rendimento se forem muito altos.

A taxa de administração tem incidência periódica sobre valores aplicados, enquanto a taxa de carregamento pode ser aplicada tanto no momento do resgate quanto a cada novo aporte. Faça as contas antes de fechar negócio!

Vale dizer que, apesar dessas taxas, os planos de previdência privada estão livres da cobrança antecipada do Imposto de Renda, o famoso come-cotas. Na prática, isso significa que a margem de rentabilidade é maior.

A previdência empresarial é um dos maiores benefícios

Também chamada de previdência privada corporativa, trata-se de um benefício corporativo feito com o intuito de incentivar os colaboradores a poupar dinheiro.

Nos Estados Unidos, a prática de oferecer previdência privada como benefício corporativo é antigo: por lá, pelo menos metade das empresas, com mais de 55 milhões de trabalhadores, já é adepta dessa possibilidade.

Isso não é por acaso. Além de colaborar para a diminuição do turnover e do absenteísmo, o oferecimento da previdência privada empresarial dá a empresa algumas vantagens, como:

  • Benefícios fiscais com o IR e o CSLL;
  • Aumento da motivação das equipes, que passam a “vestir a camisa” da empresa;
  • 40% mais barato que o salário;
  • Possibilidade de retenção e atração de novos talentos.

Para o colaborador, por sua vez, o benefício está atrelado ao desenvolvimento de bem-estar, melhor planejamento para o futuro e garantia de bons resultados. 

Por quê? Porque a previdência privada corporativa é descontada automaticamente da folha de pagamento, mês a mês, o que impede que esse dinheiro seja utilizado para outros fins.

É preciso saber a hora de resgatar

O resgate da previdência privada antes do tempo pode prejudicar a rentabilidade da aplicação – e, muitas vezes, sinaliza que o colaborador não se planejou financeiramente como deveria.

Entenda: trata-se de um processo comum e aceito. Na hora de firmar contrato com a instituição financeira de sua escolha, você concorda com as condições para a retirada do dinheiro investido, inclusive com o tempo de carência.

Ao retirar o dinheiro antes do tempo previsto – que pode ter sido de literalmente uma dezena ou mais de anos -, você terá tributação mais alta e perda de rentabilidade. Além disso, terá que pagar taxas, que também podem diminuir o dinheiro que você receberá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *